.
 
 
Crianças e telas – A explicação por trás da epidemia de miopia
 
+ Saúde
 
     
   

Tamanho da fonte:


29/10/2019

Crianças e telas – A explicação por trás da epidemia de miopia

A exposição aos aparelhos eletrônicos está prejudicando a visão das crianças, segundo o especialista do Hospital CEMA, Omar Assae. Mas é possível evitar que elas tenham problemas oculares

A visão sofre as consequências das novas tecnologias. Televisores em HD, smartphones, Ipads. A lista de aparatos eletrônicos que fazem parte da vida das pessoas é imensa. E os impactos na saúde dos olhos também. Principalmente no caso das crianças, ficar tempo demais na telinha pode fazer muito mal, em longo prazo. “Já existem estudos que mostram um aumento exponencial dos casos de miopia, caracterizando uma epidemia. O dano acontece porque ao usar muito o foco para a visão de perto, os olhos passam a ter dificuldade de fazer o foco para longe, com o passar do tempo. E essa condição pode ser permanente”, explica o oftalmologista do Hospital CEMA, Omar Assae.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) já considera a miopia a epidemia do século. Segundo o Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO), cerca de 20% das crianças em idade escolar apresentam algum problema na visão. Estima-se que até 2050 metade da população mundial será míope. Porém, a prevalência das telas na vida das pessoas é uma realidade irremediável. Então, o que fazer para preservar a saúde dos olhos, mesmo em meio a tanta tecnologia?

“Existe um uso considerado seguro. Tanto a Associação Americana de Pediatria quanto a Sociedade Brasileira de Pediatria têm recomendações sobre isso. O mais importante é saber escolher um conteúdo de qualidade e adotar limites consistentes para as crianças que usam mídias digitais”, orienta o especialista.

Segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), o mais indicado, de acordo com a faixa etária é:

- Crianças menores de 2 anos: O recomendado é evitar que crianças tão pequenas sejam expostas passivamente às telas de todo tipo;

- Crianças entre 2 e 5 anos – O tempo de exposição deve ser de, no máximo, 1 hora por dia, com conteúdo de qualidade e supervisionado pelos pais;

- Crianças a partir de 6 anos – No máximo 2 horas por dia, também com supervisão.

Outra recomendação importante é fazer pausas, de tempos em tempos, durante a exposição às telas, preferencialmente olhando para ambientes externos, como uma janela, por exemplo. Entre os aparelhos mais nocivos à visão estão as telas de LED, pois são as que mais emitem a luz azul. De todo modo, o uso tem que ser feito com bastante moderação em todos os casos, mas, principalmente, quando se trata de crianças. “O uso de eletrônicos deve ser liberado, a depender da faixa etária, desde que seja feito racionalmente. Os pais devem ensinar como usar corretamente, e ficar atentos aos sinais de problemas na visão. Em caso de dúvida, procurem sempre um oftalmologista”, finaliza Assae.

Sobre o CEMA

Referência no atendimento especializado de olhos, ouvidos, nariz e garganta há mais de 40 anos, o Hospital CEMA atende os mais variados planos de saúde e clientes particulares. O Hospital mantém a unidade e o pronto-atendimento funcionando 24 horas, 7 dias por semana.  Possui ainda clínicas de especialidades complementares em neurologia (dor), fonoaudiologia, medicina do sono, disfunção temporomandibular, cirurgia plástica estética, orientação nutricional, odontologia e ortodontia, com atendimento exclusivo com hora marcada, além de unidades ambulatoriais em todas as regiões de São Paulo, em São Bernardo do Campo, no ABC, Guarulhos, Taboão da Serra e Osasco.

Para mais informações sobre o Hospital e seu braço social, o Instituto CEMA, acesse: http://www.cemahospital.com.br

 


Autor: Redação
Fonte: AgênciaNB
Autor da Foto: Freepik

Imprimir Enviar link

Solicite aqui um artigo ou algum assunto de seu interesse!

Confira Também as Últimas Notícias abaixo!

 
 
 
 
 
 
 
Facebook
 
     
 
 
 
 
 
Newsletter
 
     
 
Cadastre seu email.
 
 
 
 
Interatividade
 
     
 

                         

 
 
.

SIS.SAÚDE - Sistema de Informação em Saúde - Brasil - R. Dr. Flores, 263 - Centro Porto Alegre - RS, 90020-120
O SIS.Saúde tem o propósito de prestar informações em saúde, não é um hospital ou clínica.
Não atendemos pacientes e não fornecemos tratamentos.
Administração do site e-mail: contato@sissaude.com.br. (51) 3779.0602